Síndrome do Impostor

A Síndrome do Impostor é caracterizada pela incapacidade de dar créditos a si próprio, por seus feitos e méritos. Não importa o quanto sucesso uma pessoa pode alcançar em suas carreiras, relacionamentos ou outras situações, sempre se consideram não merecedores dos créditos, considerando-se verdadeiras fraudes.

Tudo o que conquistam atribuem a sorte, acaso, a eventos externos ou até mesmo consideram que engararam as pessoas, convencedo-as que é inteligente ou capaz, quando na verdade acreditam que isso não é verdade.

A Síndrome do Impostor foi descrita pela primeira vez no final da década de 70 pela psicóloga Pauline Clance, da Universidade do Estado da Geórgia, em Atlanta. Segundo ela, quando observou que pacientes que apresentavam essa manifestação têm uma dolorosa consciência de suas fraquezas. Ao mesmo tempo, tendem a supervalorizar a capacidade e os pontos fortes dos outros – e sempre se consideram em desvantagem. Não é de admirar que essas pessoas tenham baixa autoestima. Basicamente é a incapacidade das pessoas acreditarem nas suas próprias competências.

Alguns estudos apontam para uma igualdade na incidência entre homens e mulheres, outros sugerem uma incidência maior em mulheres, especialmente para aquelas que obtiveram sucesso na carreira e ocupam cargos antes ocupados predominantemente por homens.

Nos últimos anos, alguns pesquisadores estudaram características psíquicas daqueles que costumam se torturar com esses pensa­mentos. O psicólogo Scott Ross, da Universi­dade DePauw, em Greencastle, no estado americano de Indiana, concluiu em 2001 que as pessoas afetadas pelo sentimento de que são uma fraude, de maneira geral, apresentam baixa autoestima, às vezes disfarçada por atitudes aparentemente arrogantes ou simpatia exage­rada. Isso é associado à sensação frequente de medo, sem causa específica, segundo descobriram em 2006 as psicólogas Shamala Kumar e Carolyn Jagacinski, da Universidade Purdue, em West Lafayette, Indiana, ao realizar uma enquete com 130 estudantes.

Costuma ser mais intenso em situações de transição de carreira, cargos, estudos como mestrados, doutorados e MBA.

Alem do sentimento de ser um impostor, uma fraude, também há a sensação de que será descoberto e desmascarado a qualquer momento, gerando muita ansiedade e insegurança, o que reflete diretamente numa baixa auto-estima, principalmente no cenário profissional.

Devido a estes sentimentos, acabam por desenvolverem estratégias de defesa, para não serem “descobertos”.

Essas estratégias geralmente são:

  • Fazer um esforço extraordinário na execução de tarefas, tornando-se um workaholic. A lógica aqui é a seguinte: se não se considera tão inteligente ou capaz quanto os outros do time, deve esforçar-se 150% a mais que os outros, ficam obcecados com relatórios, apresentações ou qualquer trabalho que se envolva. Assim tem menos chances de serem desmascarados.
  • Esforçando-se menos, o oposto do anterior, assim possíveis falhas e julgamentos serão evitadas. como consequência não se candidatam a promoções e novos cargos, desperdiçam talentos para música, dança e carreiras por temer falhar, serem julgados ou descobertos.
  • Usar habilidades sociais para agradar e conquistar os outros, pois não acredita no intelecto ou outras habilidades. Sendo aceitos por sua simpatia e gentilezas, fica mais fácil passarem despercebidos pela suposta falta de competência.
  • Procrastinar tarefas e nunca terminar nada, para evitar falhas e julgamento negativo dos outros.
  • Auto-sabotagem: sem perceber minam qualquer chance de sucesso. Sai sempre atrasado, dorme tarde antes de uma prova ou apresentação importante, assim se não se sair bem pode culpar a noite insone ou a vida atribulada.

A Síndrome do Impostor é bastante comum, aproximadamente 70% da população, incluindo eu e você, já se sentiu um impostor em algum momento da vida. Mas quem vive com essa constante crítica sobre si mesmo deve procurar ajuda para entender melhor sobre seus méritos e conquistas, para que possa atribuir o sucesso corretamente a seu esforço e competência.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *