Durante a pré-história, o homem já percebia a importância de relacionar-se com o outro, e assim, buscava a sobrevivência usando como estratégia a ajuda mútua. “Os amigos forneciam um suporte social para os primatas”, diz o antropólogo Robin Dunbar, da Universidade de Oxford, ao explicar o papel das amizades no contexto da história.

Hoje em dia, temos muitos recursos a nossa disposição. Vivemos um tempo em que é possível pedir as refeições pelo aplicativo do celular, distrair-se com uma enorme gama de eletrônicos, e manter o contato com o outro através das redes sociais. E, mesmo diante dessa realidade atual, ainda é gritante a nossa necessidade de ter amigos por perto. Algumas vezes em nossas vidas, passamos por adversidades, situações das mais desafiadoras, fazendo com que nos sintamos enfraquecidos ou ainda com dificuldade para encontrar uma solução diante dos problemas. As amizades, nesse contexto, desempenham um papel fundamental. Ter pessoas com as quais podemos contar, disponíveis para nos ouvir, faz com que possamos compartilhar nossas dificuldades, o que contribui para a saúde emocional.

Podemos ser mais saudáveis cultivando amizades e fazendo novos amigos

É o que nos mostra uma das pesquisas realizadas na Universidade de Harvard, com o intuito de descobrir o que faz uma pessoa ser saudável, e a conclusão foi muito interessante. Manter fortes vínculos de amizade pode aumentar nossa vida em até 10 anos e também auxiliar na prevenção de diversas doenças. Socialização e amizades são fatores que contribuem para a sensação de felicidade das pessoas e o relacionamento com amigos retarda a morte!

Ter e ser amigo significa vivenciar experiências profundas, que envolvem afeto, crescimento e troca constante, pois conhecemo-nos através da relação que temos com o outro. Relacionar-se com outras pessoas é uma necessidade constante para o bem-estar psíquico. A vida em grupo possibilita crescimento, aponta oportunidades, consola nos momentos difíceis.

A satisfação com as relações interpessoais é determinante para o bem-estar, pois permeia a vida humana em todas as suas fases. A construção desses laços sociais começa desde o nascimento, quando mãe e bebê estabelecem os primeiros vínculos. Depois, cada etapa vai constituindo novas redes de relações: o ambiente escolar, as tribos da adolescência, os colegas da faculdade, o casal, os grupos de terceira idade…

Conviver é o desafio de encontrar harmonia nas relações, equilibrando planos compartilhados com visões de mundo diferenciadas. Nesse aprendizado diário, momentos de alegria se alternam com divergências, e, apesar dos altos e baixos nas relações interpessoais, o ser humano precisa do contato com o outro, pois somos seres sociáveis.

O que é verdadeiramente valioso não tem preço

Acredito que essa frase se encaixe perfeitamente no real significado da palavra amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore). Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo, afeição e lealdade. E dentro deste conceito existe algo muito importante: a valorização do capital humano – dos sentimentos, dos valores… porque, mesmo no contexto atual, onde o individualismo é tão estimulado ainda existe sim, a valorização dos relacionamentos, o olho no olho, a parceria, o amor recíproco…a amizade! Ah, e isso significa tanto… é tão valioso que não tem preço!